Blog

Depressão

A depressão é uma das doenças que mais cresce nos últimos tempos. A Organização Mundial da Saúde diz que até 2020 a depressão será a doença mais incapacitante do mundo.

Sabemos que a doença existe, estamos acompanhando os noticiários e até pessoas próximas passando por esse transtorno, mas infelizmente ainda existe muito preconceito, preconceito este do próprio individuo portador do transtorno também, normalmente por sentir culpa e incapacidade.

 

Como funciona a depressão no cérebro

A depressão não escolhe sexo e nem idade para se instalar, e está interligada a uma série de fatores atuais, do desenvolvimento humano, da relação familiar, das relações sociais, às vezes de algum acontecimento (morte de um ente querido, perca de emprego e etc) sendo que a pré-disposição genética ajuda.  A depressão é muito mais séria do que se imagina, não trata simplesmente de alterações de humor perceptíveis, mas alterações e deficiências de alguns neurotransmissores, serotonina, noradrenalina e dopamina, pode estar ligada as alterações hormonais também. Essas alterações trás uma deficiência na comunicação entre os neurotransmissores, que chamamos de mensageiros.

Existem 3 graus da depressão, leve, moderada e grave, o que vai diferenciar esses níveis é a quantidade dos sintomas abaixo presente na vida da pessoa. A depressão quando não tratada não tende a sumir, mas sim aumentar, desse modo, é extremamente necessário ficar atento aos sintomas, pois felizmente a maioria das pessoas buscam ajuda quando a depressão já entrou em um nível mais avançado, onde não há mais perspectiva de vida, podendo chegar ao suicídio.

 

Sintomas:

Rebaixamento de humor, redução da energia e diminuição da atividade.

Humor deprimido, triste, desesperançado, sendo que em crianças e adolescente às vezes aparece como irritabilidade.

Sentimento de vazio

Diminuição da capacidade de concentração, tomada de decisão.

Diminuição da energia como Fadiga, cansaço mesmo após um esforço leve.

Diminuição da autoestima e da confiança

Sentimentos de desvalia,  culpa e fracasso.

Perda de interesse e de prazer (principalmente em coisas que anteriormente tinha prazer)

Despertar matinal precoce ou despertar várias vezes antes do horário

Alterações Psicomotoras, como agitação ou retardo psicomotor como lentidão.

Perda de apetite ou aumento

Perda de peso ou aumento

Perda da libido

Alterações no sono (dormir excessivamente ou dificuldades em dormir)

Pensamentos sobre morte, ideação suicida ou tentativa (variando desde o desejo em não acordar mais e até que o outro ficaria melhor se o individuo estivesse morto).

 

Como diferenciar um estado de tristeza de uma depressão

O que vai determinar depressão é o tempo que  esses sintomas persistem, por exemplo: na depressão a pessoa experimenta o sentimento de culpa ou desvalia com mais frequência e não 1X por semana, avaliar também o tempo, se já tem quantos meses que a pessoa se comporta assim. Essa é a maior diferença entre um estado de tristeza (normal, faz parte do cotidiano de todos) e do estado depressivo que persiste por tempo e repetidas vezes na semana, podendo chegar a 5X na semana, ou mais.

 

Depressão tem cura?

Sim a depressão tem cura. É necessário acompanhamento psiquiátrico com medicamentos, medicamentos estes que vão trabalhar nas conexões desses neurotransmissores deficientes, e acompanhamento psicológico com psicoterapia. Sem o devido cuidado a depressão pode e vai se agravando.

 

Tratamento com Psicoterapia

 

A terapia EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares) pode lhe ajudar a ressignificar isto.

O EMDR auxilia o seu cérebro a processar as lembranças negativas transformando e recuperando lembranças positivas. Tais lembranças não são apagadas você convive com elas porém, não lhe incomoda mais, a impressão é de ter ficado lá atrás.

Depois do tratamento quando você se deparar com o mesmo estímulo que antes causava sofrimento, seu corpo e mente não reage mais como antes.



Sobre a Autora

Terapeuta em EMDR, Brainspotting. Especialista em Trauma, medos, pânico, depressão, ansiedade e etc. Neurocientista Universidade Estadual de Londrina - UEL Avenida Santos Dumont, 3472 Sala 203 Edifício Bandeirantes (44)9.9951-9465

Discussion

Adicionar Comentario

Agendar sessão aqui.